quinta-feira, 9 de abril de 2009

Sonho ou frustração? Realidade É, certamente!



Tenho passado os dias inteiros em casa de manha á noite, sem fazer nda ou quase nada... Por aqui não tenho muitos amigos nem faço muito por isso... mas sobrevive-se embora tenha sempre os meus pais a catearem-me a cabeça ou porque ha muito tempo que não saio de casa ou porque estou ha muito tempo fora dela. Dizem que não existe nada que me prenda, e tem razão, que preciso de arranjar alguma coisa a que me agarre e me faça acalmar, se bem que eu repito constantemente que sou é calma de mais. Mas o que eles querem dizer é que ando sempre a saltitar, não tenho amigos fixos quanto mais um namorado como o meu pai constantemente diz. Na verdade ainda nem percebi bem o que é que me agarra a vida depois de tanta coisa...
O meu sonho(?) que, por sinal, normalmente tenho alguma vergonha de falar porque as pessoas tem tendencia a descriminar... ou será uma frustração do que já foi um sonho?

Estive a fazer umas pesquisas na net sobre algumas coisas que me interessam, sono até tenho algum... mas a vontade de adormecer é nula. Acabei por pegar no portatil e vir para a acama, ha imenso tempo que não vinha para aqui escrever e hoje senti necessidade... não é necessidade que alguem leia o que aqui escrevo, talvez fosse bem melhor que algumas pessoas nem tivessem descobeto este meu lado. Antigamente, quando a minha idade era constituida apenas de um algarismo eu preferia adormecer porque sabia que ia sonhar e sentia-me bem... hoje tenho medo de acordar mais um dia e que seja tudo igual ou pior...
Hoje resolvi vir praqui escrever porque sinto uma enorme necessidade de desabafar e não ha ninguem confidente que se chegue perto.
Não me sinto com a idade que tenho e apesar de o numero ainda não ser elevado está a fazer-me perder a esperança. Sim tal como a maior parte das pessoas eu ja ouvi o tipico "a esperança é a ultima a morrer" ou "nunca desistas daquilo que realmente queres" ... para quê? depois vem dizer-me que ando a ver demasiada disney channel...

Com o que já passei aprendi que não vale a pena nos lamentar-mos por coisas que não correm como nos queremos ou por não sairem da maneira que queremos e afins... isto não invalida que tenha deixado de sentir, que tenha pedido a sensibilidade. Não gosto de chorar a frete de ninguem, está bem que desde muito pequenina que sou assim, podia levar chapada a frente de muita gente mas so chorava pelo sucedido quando etava sozinha a minha até costumava dizer em tom de brincadeira que eu tinha vergonha de chorar em publico. A verdade é que não gosto que me chamem de "coitadinha" e odeio quando de fazem de coitadinhos comigo, vitimas... tira qualquer credibilidade as pessoas... e passo a citar mais uma vez, não conseguir limpar uma lagrima a alguem que esta a chorar ao meu lado n significa que não tenha vontade de o fazer, que não compreenda o sofrimento.. a minha maneira de ser é esta. Por vezes posso parecer fria... mas só eu, as quatro paredes do meu quarto e o amontuado de rolos de papel na secretaria sabemos o que para aqui vai... eu só precisava de uma unica coisa para ser feliz. e não é agarrar-me as pessoas certamente, não é ter 5 ou 6 amiguinhos fixos. eu passo bem sem as pessoas... a bem dizer não nasci para a sociedade esta mais que visto.
Tenho uma paixão, e não é por um rapaz, é muito mais do que isso.. já gostei de rapazes e passou. Antes pensava que tinha nascido no pais errado que aqui era impossivel realiza-lo, mas ha bem pouco tempo percebi que no meu pais tambem se consegue fazer com qualidade. Esta paixão vem dese criancinha e ha de morrer comigo. Realizando-se ou não! Só aind não percebi se continua a ser um sonho ou se é uma frustração...

E tu passarinho que estas a olhar para\por mim, será que sentes cada uma das que estão a cair?

4 comentários:

Mokas disse...

=/
"impossible is nothing"....

;0)

[fiquei curioso...]

Mauricio Moita disse...

Como dizes no teu blog "Tudo é eterno enquanto dura"
Aproveitar ao maximo isso é o melhor que pudemos fazer penso eu =)

há ja um tempo que estou a sentir-me +/- com o que estas a sentir, estou a passar por uma grande crise existencial tbm gostava de voltar a ter apena um algarismo na minha idade :$

Lucas disse...

Qual é o teu sonho? :)

Lucas disse...

Pouco mais há a dizer, caminho largando os últimos resíduos da memória. Fragmentos de noite escritos com o coração a pressentir as catástrofes do mundo. A grande solidão é um lugar branco povoado de mitos, de tristezas e de alegria. Mas estou quase sempre triste. Algumas fotografias revelam-me que noutros lugares já estivera triste, por exemplo, no fundo deste poço vi inclinar-se a sombra adolescente que fui. Água lunar, canaviais, luminosos escaravelhos. Este sol queimando a pele das plantas. Caminho pelos textos e reparo em tudo isto. O que começo deixo inacabado, como deixarei a vida, tenho a certeza, inacabada. O mundo pertenceu-me, a memória revela-me essa herança, esse bem. hoje, apenas sinto o vento reacender feridas, nada possuo, nem sequer o sofrimento. Outra memória vai tomando forma, assusta-me. Ainda quase nada aconteceu e já envelheci tanto. Um jogo de estilhaços é tudo o que possuo, a memória que vem ainda não tem a dor dentro dela. As fotografias e os textos, teu rosto, poderiam projectar-me para um futuro mais feliz, ou contarem-me os desastres dos recomeçados regressos. Mas, quando mais tarde conseguir reparar que a vida vibrou em mim, um instante, terei a certeza de que nada daquilo me pertenceu, nem mesmo a vida, nenhuma morte, na mesma posição, reclinado sobre meu frágil corpo, recomeço a escrever, estou de novo ocupado em esquecer-me. « A escrita é precária morada para o vaguear do coração. » Resta-me a perturbação de ter atravessado os dias, humildemente, sem queixumes. Anoitece ou amanhece, tanto faz.



Al Berto, O Medo